Dr. Rogerio Gomes - Cirurgia Plástica - Florianópolis | Mastopexia
5023
page-template-default,page,page-id-5023,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Mastopexia

 

 

MASTOPEXIA – CIRURGIA PARA LEVANTAMENTO DE SEIOS CAÍDOS

Objetivo: Levantar seios muito caídos e com volume adequado de mamas, através de cirurgia.

Como é feita: Sob anestesia local e sedação ou geral, remove-se o excesso de pele, reposicionando-se internamente com suturas o tecido mamário existente, resgatando forma e volume às mamas. As cicatrizes ficam ao redor das aréolas e delas para baixo, até o sulco mamário. Às vezes, quando há muita pele sobrando, é preciso acrescentar cicatriz no sulco mamário em pequena extensão.

Recuperação: A maioria retorna às atividades em 2 semanas; exercícios físicos devem ser evitados por 1 mês. A ausência de complicações no pós-operatório é condição para estes prazos serem razoáveis.

 

  • Por resolução do Conselho Federal de Medicina, a divulgação de fotos de antes e depois de cirurgias/procedimentos médicos, caracteriza infração ética, passível de punição.

 

 

DETALHES:

Quando está indicado a Mastopexia? Quando as mamas estiverem muito caídas e com volume mamário adequado. Geralmente ocorrem após gestação(ões) ou por perda de peso acentuada.

A partir de que idade pode ser corrigido seios caídos?  O ideal é a partir de 18 anos, pois é quando a mama está formado. Dificilmente será necessário indicar a Mastopexia antes desta idade.

A cirurgia estética das mamas (Mastopexia) deixa cicatrizes? Felizmente esta cirurgia permite-nos colocar as cicatrizes da pele bastante disfarçadas por trajes de banho ou roupas íntimas, posicionadas nos sulcos mamários, além da cicatriz ao redor da aréola e verticalmente unindo estas duas. Para melhor esclarecê-la sobre a evolução cicatricial, vamos relatar os diversos períodos pelos quais as cicatrizes passarão:

a- PERÍODO INICIAL: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam uma discreta reação aos pontos ou ao curativo.

b- PERÍODO INTERMEDIÁRIO: Vai do 30º dia até o l2º mês. Neste período haverá um espessamento natural da cicatriz, bem como uma mudança na tonalidade de sua cor, passando do “vermelho para o “marrom” que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural de cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois, o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.

c- PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao l8º mês. Neste período a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia das mamas deverá ser feita após este período.

Ouvi dizer que algumas pacientes ficam com cicatrizes muito visíveis. Por que isso acontece? Certas pacientes apresentam tendência à cicatrização hipertófica ou ao quelóide. Esta tendência, entretanto, poderá ser prevista, até certo ponto, durante a consulta inicial, quando lhe fazemos uma série de perguntas sobre sua vida clínica progressa, bem como características familiares, que muito ajudam quanto ao prognóstico das cicatrizes. Pessoas de pele clara têm menor probabilidade de sofrer desta complicação. Esforço nos períodos iniciais também tem grande influência negativa na qualidade das cicatrizes, especialmente na cicatriz vertical, podendo levar a aberturas e infecções locais.

Existe correção para cicatrizes hipertróficas? Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar cicatrizes inestéticas, na época adequada. Não se deve confundir entretanto, o “período intermediário” da cicatrização normal (do 30º dia até o 12º mês) como sendo uma complicação cicatricial. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução deverá ser esclarecida conosco e nunca com terceiros que, como você, “também estão apreensivos quanto ao resultado final”.

Qual a diferença em colocar a prótese atrás da glândula mamária ou atrás do músculo? Quando colocada atrás do músculo, há mais proteção da prótese, mas ao nosso ver, o resultado estético fica inferior, por não permitir aproximar mais os implantes e fazer a mama cair mais cedo que pelo acesso atrás da glândula. Por isso preferimos a colocação atrás da glândula.

Como ficarão minhas novas mamas, em relação ao tamanho e consistência? As mamas podem ter sua queda resolvida através da cirurgia; além disso sua consistência e forma também são melhoradas com esta intervenção. Nessa ocasião a flacidez, a queda e a forma da mama original são corrigidas; entretanto, “as novas mamas” passam por vários períodos evolutivos:

a) PERÍODO INICIAL: Vai até o 30º dia. Neste período, apesar das mamas apresentarem-se com seu aspecto bem melhorado, sua forma ainda está aquém do resultado planejado, pois, até que se atinja a forma definitiva, surgem “pequenos defeitos” aparentes iniciais (inevitáveis em todos os casos), que tendem a desaparecer com o decorrer do tempo. Lembre-se desta observação: Geralmente nenhuma mama fica “perfeita” no pós-operatório imediato.

b) PERÍODO INTERMEDIÁRIO: Vai do 30º dia até o 6º mês. Neste período, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva. Não são raros neste período uma certa insensibilidade ou hipersensibilidade do mamilo, além de maior ou menor grau de “inchaço” das mamas; além disso, sua forma está aquém da definitiva. Apesar de certa euforia da maioria das pacientes, já neste período, o resultado ficará melhor ainda, pois isto será a característica do 3º período (tardio).

c) PERÍODO TARDIO: Vai do 6º ao 12º mês. É o período em que a mama atinge seu aspecto definitivo (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade). É neste período que costumamos fotografar os casos operados, afim de compará-los com aspecto pré- operatório de cada paciente. Tem grande importância, no resultado final, o grau de elasticidade da pele das mamas bem como o volume conseguido. O equilíbrio entre ambos varia de caso para caso.

Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo? Apesar do resultado imediato ser muito perceptível e bom, é comum fazermos uma hiper-correção, pois existe uma queda natural inicial (entre o primeiro e terceiro mês) que levará a um melhor resultado de longo prazo. Somente após o 6º mês é que as mamas atingirão sua forma definitiva.

Qual o tipo de traje de banho que poderei usar após a cirurgia? No período intermediário (1-6 meses) e tardio (6-12 meses) qualquer tipo de traje, de uma ou duas peças, desde que a peça superior não fique muito justa. É claro que, após o amadurecimento das cicatrizes os maiôs poderão ser mais “generosos”, a seu critério. No caso de nova gravidez, o resultado permanecerá ou ficará prejudicado? O seu ginecologista lhe dirá da conveniência ou não de nova gravidez. Quanto ao resultado, poderá ser preservado, desde que aquele especialista controle seu aumento de peso na nova gestação. Geralmente não há problema maior, em caso de nova gravidez. Se houver grande ganho de peso, as alterações provavelmente ocorrerão.

O pós-operatório da Mastopexia é doloroso? Em geral não, desde que você obedeça às instruções médicas, principalmente no que tange à movimentação dos braços, esforços, curativos e demais cuidados nos primeiros dias. O analgésico prescrito costuma ser suficiente.

Há perigo nesta operação? Raramente a Mastopexia sofre complicações, desde que sejam observados os cuidados pós-operatórios recomendados. Isto se deve ao fato de se preparar devidamente cada paciente, além de ponderarmos sobre a conveniência de associação desta cirurgia, simultaneamente a outras. O perigo não é maior ou menor que viajar de avião, automóvel, ou outra atividade similar.

Que vem a ser a retração da cápsula? É uma retração exagerada da cápsula fibrosa do organismo (que se forma em torno da prótese), que determina certo grau de endurecimento à região, quando palpada. Certo percentual de casos poderá estar sujeito à tal retração; entretanto, se isto ocorrer em grau acentuado, as próteses poderão e deverão ser retiradas, através das mesmas cicatrizes, em ato cirúrgico simples, sob anestesia local e sedação. Cirurgião e paciente, poderão ponderar sobre a conveniência ou não da reintrodução de próteses menores ou outra conduta que melhor se adapte ao caso, no mesmo ato ou em tempo posterior. A retração da cápsula nunca reflete imperícia do cirurgião, mas sim, um comportamento reacional do organismo das pacientes que a apresentam. Atualmente existem próteses que diminuem drasticamente o endurecimento mamário. É este tipo de prótese que será utilizado no seu caso.

Existe relação da prótese de silicone com câncer? Não existe nenhum caso comprovado de câncer causado por prótese de silicone. Este tipo de relação tem sido feita por uma série de mal-informações divulgadas sem fundamento.

Existe a possibilidade de amamentação após a cirurgia? Como a prótese fica por trás da glândula mamária, não existe nenhum empecilho em amamentar em qualquer período após a cirurgia.

Existe a possibilidade de amamentação após a cirurgia? Como a prótese fica por trás da glândula mamária, não existe nenhum empecilho em amamentar em qualquer período após a cirurgia, bem como para exames de mama do tipo ultrassonografia e mamagrafia.

Qual o tipo de anestesia utilizada? Na maioria das vezes com anestesia local com sedação. A anestesia geral pode ser indicada em raros casos, geralmente por outra cirurgia associada, ou a critério do cirurgião.

Quanto tempo dura o ato cirúrgico? Dependendo de cada tipo de mama, a média é de 3 horas.

Qual o período de internação? Geralmente não é necessário internação, mas um período de recuperação de 12 – 24 horas.

São utilizados curativos? Sim. Curativos com micropore por 3-4 dias e sutiã de lycra específico para pós-operatório em toda extensão. Após primeiro retorno são retirados os curativos e mantidos com curativo de poliuretano impermeável e que dispensa trocas, por 2 semanas.

Quando são retirados os pontos? Utilizamos cola ou fios absorvíveis, que dispensam retirada.

Quando tomarei banho completo? Após o primeiro retorno, será feito a troca dos curativos e será liberada para banhos normais.

Qual o papel da drenagem linfática no pós-operatório? A drenagem linfática ajuda na remoção de líquidos e toxinas acumulados nas regiões operadas. Isto leva a mais conforto para a(o) paciente, menos dor no pós-operatório e mais rápido retorno às atividades do dia-a-dia. Mas é fundamental que seja feita por profissional com experiência em pós-operatório de cirurgia plástica, pois a drenagem linfática mal feita, pode interferir negativamente no resultado final.

Qual a evolução pós-operatória? Não se esqueça que, até que se atinja o resultado almejado, as mamas passarão por diversas fases. Se lhe ocorrer a preocupação no sentido de “desejar atingir o resultado definitivo antes do tempo previsto”, não faça disso motivo de sofrimento: tenha a devida paciência, pois, seu organismo se encarregará espontaneamente de dissipar todos os transtornos imediatos. É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser a nós transmitida. Para sua tranquilidade, daremos os esclarecimentos necessários ou nos empenharemos para que se atinja o resultado almejado. Pode-se reiniciar a dirigir após 2-3 semanas, com cuidados (trajetos curtos, dentro da cidade). Caminhadas a partir de 2 semanas. Banho de sol após 1 mês. Exercícios físicos a partir de 45 dias. Conforme o seu caso específico poderá haver ajustes nestes números, e serão explicados na época adequada.

Que tipo de intercorrências podem ocorrer? Consideramos intercorrência todo e qualquer detalhe que possa surgir no pós-operatório além daqueles considerados normais. É sempre indesejado, mas de controle médico. Normalmente estão relacionadas com falta de observância aos cuidados de recuperação. Hematomas, seromas são situações que podem ocorrer, principalmente em pacientes com peso acima do ideal, doenças sistêmicas e tabagistas. Os processos infecciosos e rejeição raramente ocorrem. Eventualmente, nestas situações, pode haver a necessidade de retirada da prótese, que necessita nova cirurgia. As equimoses (manchas roxas) nada mais são do que a infiltração do sangue (hemossiderina) na pele subjacente, e são devidas ao próprio trauma cirúrgico. Isto, entretanto, não constitui qualquer problema futuro, com resolução espontânea.

Quando poderei voltas às minhas atividades normais? Pode-se reiniciar a dirigir após 2-3 semanas, com cuidados (trajetos curtos, dentro da cidade). Caminhadas a partir de 2 semanas. Banho de sol após 1 mês. Exercícios físicos a partir de 45 dias. Conforme o seu caso específico poderá haver ajustes nestes números, e serão explicados na época adequada.

Há perda da sensibilidade nas mamas após a cirurgia? Nos primeiros meses há uma perda temporária. A sensibilidade retorna normalmente entre o 3º e o 6º mês, na maioria dos casos.

Para que servem os exames pré-operatórios e fotografias? Os exames que pedimos previamente a cirurgia constituem a rotina de qualquer ato cirúrgico. São fundamentais para avaliarmos o seu organismo como um todo, detectarmos anemias, processos infecciosos, etc. As fotografias tiradas antes e depois da sua cirurgia também são uma rotina e têm o objetivo de registrarmos a evolução do seu caso ao longo do tempo. São fundamentais no pré-operatório para avaliarmos as regiões a serem tratadas, eventuais diferenças de um lado para outro, enfim, para planejarmos o que será feito. Suas fotos permanecerão arquivadas e não serão exibidas a outros pacientes ou pessoas leigas, ficando seu uso restrito para fins de documentação científica.

Mastopexia com implante de silicone

Quando está indicado a Mastopexia com silicone? Quando as mamas estiverem muito caídas e com volume mamário pequeno. Geralmente ocorrem após gestação(ões) ou por perda de peso acentuada.

A partir de que idade pode ser corrigido seios caídos? O ideal é a partir de 18 anos, pois é quando a mama está formado. Dificilmente será necessário indicar a Mastopexia antes desta idade.

A cirurgia estética das mamas (Mastopexia com silicone) deixa cicatrizes?  Felizmente esta cirurgia permite-nos colocar as cicatrizes da pele bastante disfarçadas por trajes de banho ou roupas íntimas, posicionadas nos sulcos mamários, além da cicatriz ao redor da aréola e verticalmente unindo estas duas. Para melhor esclarecê-la sobre a evolução cicatricial, vamos relatar os diversos períodos pelos quais as cicatrizes passarão:

a- PERÍODO INICIAL: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam uma discreta reação aos pontos ou ao curativo.

b- PERÍODO INTERMEDIÁRIO: Vai do 30º dia até o l2º mês. Neste período haverá um espessamento natural da cicatriz, bem como uma mudança na tonalidade de sua cor, passando do “vermelho para o “marrom” que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural de cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois, o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.

c- PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao l8º mês. Neste período a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia das mamas deverá ser feita após este período.

Ouvi dizer que algumas pacientes ficam com cicatrizes muito visíveis. Por que isso acontece? Certas pacientes apresentam tendência à cicatrização hipertófica ou ao quelóide. Esta tendência, entretanto, poderá ser prevista, até certo ponto, durante a consulta inicial, quando lhe fazemos uma série de perguntas sobre sua vida clínica progressa, bem como características familiares, que muito ajudam quanto ao prognóstico das cicatrizes. Pessoas de pele clara têm menor probabilidade de sofrer desta complicação. Esforço nos períodos iniciais também tem grande influência negativa na qualidade das cicatrizes, especialmente na cicatriz vertical, podendo levar a aberturas e infecções locais.

Existe correção para cicatrizes hipertróficas? Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar cicatrizes inestéticas, na época adequada. Não se deve confundir entretanto, o “período intermediário” da cicatrização normal (do 30º dia até o 12º mês) como sendo uma complicação cicatricial. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução deverá ser esclarecida conosco e nunca com terceiros que, como você, “também estão apreensivos quanto ao resultado final”.

Como ficarão minhas novas mamas, em relação ao tamanho e consistência? As mamas podem ter sua queda resolvida através da cirurgia; além disso sua consistência e forma também são melhoradas com esta intervenção. Nessa ocasião a flacidez, a queda e a forma da mama original são corrigidas; entretanto, “as novas mamas” passam por vários períodos evolutivos:

a) PERÍODO INICIAL: Vai até o 30º dia. Neste período, apesar das mamas apresentarem-se com seu aspecto bem melhorado, sua forma ainda está aquém do resultado planejado, pois, até que se atinja a forma definitiva, surgem “pequenos defeitos” aparentes iniciais (inevitáveis em todos os casos), que tendem a desaparecer com o decorrer do tempo. Lembre-se desta observação: Geralmente nenhuma mama fica “perfeita” no pós-operatório imediato.

b) PERÍODO INTERMEDIÁRIO: Vai do 30º dia até o 6º mês. Neste período, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva. Não são raros neste período uma certa insensibilidade ou hipersensibilidade do mamilo, além de maior ou menor grau de “inchaço” das mamas; além disso, sua forma está aquém da definitiva. Apesar de certa euforia da maioria das pacientes, já neste período, o resultado ficará melhor ainda, pois isto será a característica do 3º período (tardio).

c) PERÍODO TARDIO: Vai do 6º ao 12º mês. É o período em que a mama atinge seu aspecto definitivo (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade). É neste período que costumamos fotografar os casos operados, afim de compará-los com aspecto pré- operatório de cada paciente. Tem grande importância, no resultado final, o grau de elasticidade da pele das mamas bem como o volume conseguido. O equilíbrio entre ambos varia de caso para caso.

Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo? Apesar do resultado imediato ser muito perceptível e bom, é comum fazermos uma hiper-correção, pois existe uma queda natural inicial (entre o primeiro e terceiro mês) que levará a um melhor resultado de longo prazo. Somente após o 6º mês é que as mamas atingirão sua forma definitiva.

Qual o tipo de traje de banho que poderei usar após a cirurgia? No período intermediário (1-6 meses) e tardio (6-12 meses) qualquer tipo de traje, de uma ou duas peças, desde que a peça superior não fique muito justa. É claro que, após o amadurecimento das cicatrizes os maiôs poderão ser mais “generosos”, a seu critério.

No caso de nova gravidez, o resultado permanecerá ou ficará prejudicado? O seu ginecologista lhe dirá da conveniência ou não de nova gravidez. Quanto ao resultado, poderá ser preservado, desde que aquele especialista controle seu aumento de peso na nova gestação. Geralmente não há problema maior, em caso de nova gravidez. Se houver grande ganho de peso, as alterações provavelmente ocorrerão.

O pós-operatório da Mastopexia com silicone é doloroso? Em geral não, desde que você obedeça às instruções médicas, principalmente no que tange à movimentação dos braços, esforços, curativos e demais cuidados nos primeiros dias. O analgésico prescrito costuma ser suficiente.

Há perigo nesta operação? Raramente a Mastopexia com silicone sofre complicações, desde que sejam observados os cuidados pós-operatórios recomendados. Isto se deve ao fato de se preparar devidamente cada paciente, além de ponderarmos sobre a conveniência de associação desta cirurgia, simultaneamente a outras. O perigo não é maior ou menor que viajar de avião, automóvel, ou outra atividade similar.

Qual o tipo de anestesia utilizada? Na maioria das vezes com anestesia local com sedação. A anestesia geral pode ser indicada em raros casos, geralmente por outra cirurgia associada, ou a critério do cirurgião.

Quanto tempo dura o ato cirúrgico? Dependendo de cada tipo de mama, a média é de 3 horas.

Qual o período de internação? Geralmente não é necessário internação, mas um período de recuperação de 12 – 24 horas.

São utilizados curativos? Sim. Curativos com micropore por 3-4 dias e sutiã de lycra específico para pós-operatório em toda extensão. Após primeiro retorno são retirados os curativos e mantidos com curativo de poliuretano impermeável e que dispensa trocas, por 2 semanas.

Quando são retirados os pontos? Utilizamos cola ou fios absorvíveis, que dispensam retirada.

Quando tomarei banho completo? Após o primeiro retorno, será feito a troca dos curativos e será liberada para banhos normais.

Qual o papel da drenagem linfática no pós-operatório? A drenagem linfática ajuda na remoção de líquidos e toxinas acumulados nas regiões operadas. Isto leva a mais conforto para a(o) paciente, menos dor no pós-operatório e mais rápido retorno às atividades do dia-a-dia. Mas é fundamental que seja feita por profissional com experiência em pós-operatório de cirurgia plástica, pois a drenagem linfática mal feita, pode interferir negativamente no resultado final.

Qual a evolução pós-operatória? Não se esqueça que, até que se atinja o resultado almejado, as mamas passarão por diversas fases. Se lhe ocorrer a preocupação no sentido de “desejar atingir o resultado definitivo antes do tempo previsto”, não faça disso motivo de sofrimento: tenha a devida paciência, pois, seu organismo se encarregará espontaneamente de dissipar todos os transtornos imediatos. É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser a nós transmitida. Para sua tranquilidade, daremos os esclarecimentos necessários ou nos empenharemos para que se atinja o resultado almejado. Pode-se reiniciar a dirigir após 2-3 semanas, com cuidados (trajetos curtos, dentro da cidade). Caminhadas a partir de 2 semanas. Banho de sol após 1 mês. Exercícios físicos a partir de 45 dias. Conforme o seu caso específico poderá haver ajustes nestes números, e serão explicados na época adequada.

Que tipo de intercorrências podem ocorrer? Consideramos intercorrência todo e qualquer detalhe que possa surgir no pós-operatório além daqueles considerados normais. É sempre indesejado, mas de controle médico. Normalmente estão relacionadas com falta de observância aos cuidados de recuperação. Hematomas, seromas são situações que podem ocorrer, principalmente em pacientes com peso acima do ideal, doenças sistêmicas e tabagistas. Os processos infecciosos e rejeição raramente ocorrem. Eventualmente, nestas situações, pode haver a necessidade de retirada da prótese, que necessita nova cirurgia. As equimoses (manchas roxas) nada mais são do que a infiltração do sangue (hemossiderina) na pele subjacente, e são devidas ao próprio trauma cirúrgico. Isto, entretanto, não constitui qualquer problema futuro, com resolução espontânea.

Quando poderei voltas às minhas atividades normais? Pode-se reiniciar a dirigir após 2-3 semanas, com cuidados (trajetos curtos, dentro da cidade). Caminhadas a partir de 2 semanas. Banho de sol após 1 mês. Exercícios físicos a partir de 45 dias. Conforme o seu caso específico poderá haver ajustes nestes números, e serão explicados na época adequada.

Há perda da sensibilidade nas mamas após a cirurgia? Nos primeiros meses há uma perda temporária. A sensibilidade retorna normalmente entre o 3º e o 6º mês, na maioria dos casos.

Para que servem os exames pré-operatórios e fotografias? Os exames que pedimos previamente a cirurgia constituem a rotina de qualquer ato cirúrgico. São fundamentais para avaliarmos o seu organismo como um todo, detectarmos anemias, processos infecciosos, etc. as fotografias tomadas antes e depois da sua cirurgia também são uma rotina e têm o objetivo de registrarmos a evolução do seu caso ao longo do tempo. São fundamentais no pré-operatório para avaliarmos as regiões a serem tratadas, eventuais diferenças de um lado para outro, enfim, para planejarmos o que será feito. Suas fotos permanecerão arquivadas e não serão exibidas a outros pacientes ou pessoas leigas, ficando seu uso restrito para fins de documentação científica.