Dr. Rogerio Gomes - Cirurgia Plástica - Florianópolis | Grandes Perdas Ponderais e Cirurgia Pós-Bariátrica Plástica
4833
page-template-default,page,page-id-4833,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

GRANDES PERDAS DE PESO E CIRURGIA PLÁSTICA PÓS-BARIÁTRICA

 

 

 

Com o avanço da cirurgia para obesidade mórbida muitos pacientes passaram a ser ex-obesos e desfrutar de uma grande melhora na saúde e qualidade de vida.

No entanto, passou a ter em conseqüência da obesidade passada um grande excesso de pele geralmente situado na região do abdômen, região dorsal, região das coxas e regiã o dos braços. Excesso este que causa muitas vezes muito desconforto ao paciente devido a dificuldades de higiene, podendo até mesmo a desenvolver doenças na pele, dificuldades de se vestir e dificuldades com a imagem da estética corporal. As cirurgias mais freqüentemente realizadas são Plástica de abdômen, plástica de dorso, Lifting glúteo, Lifting coxas, Lifting braços e Lifting cervical. Qual procedimento poderá ser realizado dependerá de uma avaliação de cada caso.
A partir dessa demanda, cirurgiões plásticos de todo o mundo têm se dedicado à adequação e ao desenvolvimento de técnicas específicas para esses pacientes, que têm em comum um grande excesso de pele. É considerada a possibilidade de cirurgia plática após pelo menos 1 ano, com autorização do cirurgião geral.

Pacientes assistidos por equipe multidisciplinar, normalmente estão melhor preparados para a etapa da plástica. Aqueles que apresentam depressão ou algum tipo de compulsão que veio substituir a comida merecem maior atenção. Nesses casos, a plástica pode ser contra-indicada. Para quem está pronto, do ponto de vista bio-psico-social, a cirurgia plástica é benéfica. O cirurgião ressalta que há pacientes que, devido à perda de peso e ao excesso de pele, chegam a criar escaras e escaldaduras em áreas de atrito constante, além de deformidades no contorno corporal.

 

PLÁSTICA DE MAMAS EM MULHERES EX-OBESAS

A medida que passam-se os anos,as mulheres podem perder o tônus cutâneo, com diminuição da espessura da pele e conseqüente flacidez, inclusive nas mamas. Se a pessoa mantem um peso regular, esta flacidez pode ficar menos visível, pois a capacidade elástica da pele, apesar de diminuir com a idade, consegue acomodar a pele até certo ponto, manifestando-se em mamas com uma queda pequena ou moderada. Mas quando há uma grande perda de peso, esta capacidade de acomodação é superada, e a flacidez tende a ficar mais evidente, inclusive com alteração do tecido mamário e de forma proporcional ao número de quilos perdidos, podendo chegar a graus extremos. Se isso acontecer nas mamas, ocorre uma frouxidão da pele com grande queda e atrofia mamária.

A plástica de mamas em ex-obesos é a indicação, geralmente associada com implantes de silicone de tamanhos variáveis, que servem para recompor o volume mamário perdido e conferir maior firmeza e resultado estético mais agradável.

As cicatrizes ficam em forma de T invertido e ao redor das aréolas. Em casos de grande flacidez abaixo das mamas, pode ser associado o Lifting torácico, onde a cicatriz do sulco da mama é prolongada lateralmente até as costas, para retirada da flacidez deste local.

Ao término da cirurgia realiza-se um curativo e coloca-se um sutiã no local. Geralmente o paciente poderá retornar para sua residência no mesmo dia. Devendo retornar à clínica conforme solicitado pelo cirurgião para troca de curativos. O repouso deverá ser relativo não podendo realizar atividades físicas com os braços por um período que irá variar com o tipo de cirurgia de 6 a 8 semanas.
As cicatrizes irão passar por 3 fases (geralmente 12 a 18 meses), até atingir sua aparência final, e como todas as cicatrizes terão restrição à sol.

Como toda cirurgia existem alguns riscos inerentes a todos os procedimentos cirúrgicos e alguns específicos de cada procedimento. De um modo geral, os problemas mais comuns são infecção local, hematomas, pequenas deiscências e má qualidade na cicatriz. Todos eles geralmente são bem contornados de modo a não perder o resultado cirúrgico e não causar transtornos maiores a não ser o atraso da recuperação da cirurgia. Todo paciente submetido a esta cirurgia deve estar ciente desta possibilidade acontecer, mesmo que se obedeçam todas as recomendações passadas. Riscos maiores como trombose venosa e embolia pulmonar são raras, mas podem ocorrer, mesmo com todo preparo pré-operatório.

As intercorrências em geral são mais prováveis de ocorrer em ex-obesos pelas cicatrizes maiores e pela condição clínica do ex-obeso de absorção alterada alimentos e vitaminas, perfil imunológico, qualidade alterada da pele, entre outros. Seguindo as orientações dadas e deixando-se de fumar com pelo menos 3 semanas de antecedência, diminui-se muito as chances destas complicações ocorrerem. Outros detalhes específicos de cada caso, serão discutidos no ato da consulta médica.

 

PLÁSTICA DE MAMAS EM HOMENS EX-OBESOS

A plástica de mamas masculina em ex-obesos é a indicação, podendo ser feito Lipoaspiração isoladamente para recompor a anatomia da região torácica, ou associada com plástica mamária masculina.

A Plástica mamária masculina pode ser de 2 tipos de técnicas baseadas na posição das cicatrizes: para casos menores, a Periareolar, onde a cicatriz fica restrita a metade da circunferência das aréolas, e por onde é retirado o excesso de tecidos; e para casos com grande flacidez e queda, a do Sulco Mamário mamário, que leva a cicatriz em todo sulco mamário e ao redor das aréolas.

Em casos de grande flacidez abaixo das mamas, pode ser associado o Lifting torácico, onde a cicatriz do sulco da mama é prolongada lateralmente até as costas, para retirada da flacidez deste local.

Ao término da cirurgia realiza-se um curativo e coloca-se uma cinta modeladora masculina tipo colete. Geralmente o paciente poderá retornar para sua residência no mesmo dia. Devendo retornar à clínica conforme solicitado pelo cirurgião para troca de curativos. O repouso deverá ser relativo não podendo realizar atividades físicas com os braços por um período que irá variar com o tipo de cirurgia de 6 a 8 semanas.
As cicatrizes irão passar por 3 fases (geralmente 12 a 18 meses), até atingir sua aparência final, e como todas as cicatrizes terão restrição à sol.

Como toda cirurgia existem alguns riscos inerentes a todos os procedimentos cirúrgicos e alguns específicos de cada procedimento. De um modo geral, os problemas mais comuns são infecção local, hematomas, pequenas deiscências e má qualidade na cicatriz. Todos eles geralmente são bem contornados de modo a não perder o resultado cirúrgico e não causar transtornos maiores a não ser o atraso da recuperação da cirurgia. Todo paciente submetido a esta cirurgia deve estar ciente desta possibilidade acontecer, mesmo que se obedeçam todas as recomendações passadas. Riscos maiores como trombose venosa e embolia pulmonar são raras, mas podem ocorrer, mesmo com todo preparo pré-operatório.

As intercorrências em geral são mais prováveis de ocorrer em ex-obesos pelas cicatrizes maiores e pela condição clínica do ex-obeso de absorção alterada alimentos e vitaminas, perfil imunológico, qualidade alterada da pele, entre outros. Seguindo as orientações dadas e deixando-se de fumar com pelo menos 3 semanas de antecedência, diminui-se muito as chances destas complicações ocorrerem. Outros detalhes específicos de cada caso, serão discutidos no ato da consulta médica.

 

DERMOLIPECTOMIA DE BRAÇOS EM EX-OBESOS

A medida que passam-se os anos, tanto os homens e as mulheres podem perder o tônus cutâneo, com diminuição da espessura da pele e conseqüente flacidez. Se a pessoa mantem um peso regular, esta flacidez pode ficar pouco ou nada visível, pois a capacidade elástica da pele, apesar de diminuir com a idade, consegue acomodar a pele até certo ponto. Mas quando há uma grande perda de peso, esta capacidade de acomodação é superada, e a flacidez tende a ficar mais evidente, proporcional ao número de quilos perdidos, podendo chegar a graus extremos. Se isso acontecer nos braços, ocorre uma frouxidão da pele do lado de baixo do braço.

Em indivíduos que têm uma boa qualidade de pele e não têm excesso de pele apenas de gordura, a lipoaspiração é o tratamento mais adequado. A pele nestas pessoas costuma retrair e dar um resultado satisfatório. O Lifting de braços, que é a retirada de pele nos braços, pode ser restrita à axila (mais raramente indicada) ou ir da axila ao cotovelo (mais comumente indicada).

A dermolipectomia é restrita aos casos em que há um excesso cutâneo evidente, podendo também ser removida parte da gordura. Com esta cirurgia consegue-se restaurar um aspecto mais jovem ao braço.
A cirurgia inicia-se freqüentemente com uma lipoaspiração do braço seguida por um corte em sua parte interna que irá da axila até o cotovelo. Ao término da cirurgia realiza-se um curativo e coloca-se uma malha compressiva local. Geralmente o paciente poderá retornar para sua residência no mesmo dia. Devendo retornar à clínica conforme solicitado pelo cirurgião para troca de curativos. O repouso deverá ser relativo não podendo realizar atividades físicas com os braços por um período que irá variar com o tipo de cirurgia de 6 a 8 semanas.
As cicatrizes irão passar por 3 fases (geralmente 12 a 18 meses), até atingir sua aparência final, e como todas as cicatrizes terão restrição à sol.

Como toda cirurgia existem alguns riscos inerentes a todos os procedimentos cirúrgicos e alguns específicos de cada procedimento. De um modo geral, os problemas mais comuns são infecção local, hematomas, pequenas deiscências e má qualidade na cicatriz. Todos eles geralmente são bem contornados de modo a não perder o resultado cirúrgico e não causar transtornos maiores a não ser o atraso da recuperação da cirurgia. Todo paciente submetido a esta cirurgia deve estar ciente desta possibilidade acontecer, mesmo que se obedeçam todas as recomendações passadas. Riscos maiores como trombose venosa e embolia pulmonar são raras, mas podem ocorrer, mesmo com todo preparo pré-operatório.

As intercorrências em geral são mais prováveis de ocorrer em ex-obesos pelas cicatrizes maiores e pela condição clínica do ex-obeso de absorção alterada alimentos e vitaminas, perfil imunológico, qualidade alterada da pele, entre outros. Seguindo as orientações dadas e deixando-se de fumar com pelo menos 3 semanas de antecedência, diminui-se muito as chances destas complicações ocorrerem. Outros detalhes específicos de cada caso, serão discutidos no ato da consulta médica.

 

PLÁSTICA DE ABDOME EM EX-OBESOS

A medida que passam-se os anos, tanto os homens e as mulheres podem perder o tônus cutâneo, com diminuição da espessura da pele e conseqüente flacidez. Se a pessoa mantem um peso regular, esta flacidez pode ficar pouco ou nada visível, pois a capacidade elástica da pele, apesar de diminuir com a idade, consegue acomodar a pele até certo ponto. Mas quando há uma grande perda de peso, esta capacidade de acomodação é superada, e a flacidez tende a ficar mais evidente, proporcional ao número de quilos perdidos, podendo chegar a graus extremos. Quando isto ocorre no abdômen, que é o local mais comum de flacidez em ex-obesos, ocorre uma frouxidão da pele de todo abdome.

A cirurgia de abdômen pode ser como a convencional, com cicatriz longa e baixa sobre o púbis e extendendo-se lateralmente, dentro das marcas de trajes de banho, ou em âncora, quando além da cicatriz convencional, existe uma cicatriz vertical do esterno até o púbis, levando a um formato final em forma de âncora. A cicatriz em âncora está indicada quando existe uma flacidez exagerada, que a cirurgia abdominal convencional não corrigirá tão bem a flacidez existente.

O excesso de pele que pode haver na maioria dos casos acarreta um grande desconforto físico impedindo o uso adequado de roupas, a participação social adequada e em alguns casos até mesmo dificuldade de higiene pessoal. Para se alcançar um resultado adequado, freqüentemente é necessário a combinação da plástica de abdômen com lipoaspiração dos flancos e plástica do dorso.
As cicatrizes geralmente são de boa qualidade e ficam escondidas pela maioria das roupas de banho, mas pela grande extensão, existe a possibilidade de melhora das cicatrizes que ficarem inestéticas, através de nova cirurgia para correção.

Ao término da cirurgia realiza-se um curativo e coloca-se uma malha compressiva local. Geralmente o paciente poderá retornar para sua residência no dia seguinte da cirurgia, devendo retornar à clínica conforme solicitado pelo cirurgião para troca de curativos. O repouso deverá ser relativo não podendo realizar atividades físicas por um período que irá variar com o tipo de cirurgia de 4 a 8 semanas. Apesar do comprimento da cicatriz, este tipo de cirurgia trás um grande conforto e satisfação aos pacientes.
As cicatrizes irão passar por 3 fases (geralmente 12 a 18 meses), até atingir sua aparência final, e como todas as cicatrizes terão restrição à sol.

Como toda cirurgia existem alguns riscos inerentes a todos os procedimentos cirúrgicos e alguns específicos de cada procedimento. De um modo geral, os problemas mais comuns são infecção local, hematomas, pequenas deiscências e má qualidade na cicatriz. Todos eles geralmente são bem contornados de modo a não perder o resultado cirúrgico e não causar transtornos maiores a não ser o atraso da recuperação da cirurgia. Todo paciente submetido a esta cirurgia deve estar ciente desta possibilidade acontecer, mesmo que se obedeçam todas as recomendações passadas. Riscos maiores como trombose venosa e embolia pulmonar são raras, mas podem ocorrer, mesmo com todo preparo pré-operatório.

As intercorrências em geral são mais prováveis de ocorrer em ex-obesos pelas cicatrizes maiores e pela condição clínica do ex-obeso de absorção alterada alimentos e vitaminas, perfil imunológico, qualidade alterada da pele, entre outros. Seguindo as orientações dadas e deixando-se de fumar com pelo menos 3 semanas de antecedência, diminui-se muito as chances destas complicações ocorrerem. Outros detalhes específicos de cada caso, serão discutidos no ato da consulta médica.

 

PLÁSTICA DE DORSO EM EX-OBESOS (FLANCOPLASTIA, DORSOPLASTIA)

A medida que passam-se os anos, tanto os homens e as mulheres podem perder o tônus cutâneo, com diminuição da espessura da pele e conseqüente flacidez. Se a pessoa mantem um peso regular, esta flacidez pode ficar pouco ou nada visível, pois a capacidade elástica da pele, apesar de diminuir com a idade, consegue acomodar a pele até certo ponto. Mas quando há uma grande perda de peso, esta capacidade de acomodação é superada, e a flacidez tende a ficar mais evidente, proporcional ao número de quilos perdidos, podendo chegar a graus extremos. Quando isto ocorre no dorso e flancos, um dos locais mais comum de flacidez em ex-obesos, ocorre uma frouxidão da pele de flancos e dorso, com ¨cartucheiras¨ grandes e evidentes.

A cirurgia de dorsoplastia , normalmente é associada com a plástica de abdômen. Pode ser de 2 tipos: Parcial, quando a flacidez não é tão excessiva, e a cicatriz se posiciona lateralmente, sob marcas de trajes de banho, mas sem juntar com a cicatriz do lado oposto. Total, quando a flacidez é bem maior no dorso, com junção das cicatrizes na região sacral.

Muitas vezes, também se associa uma Lipoescultura, onde se retira gordura dos flancos para melhor definir a cintura e também para enxertar em glúteos, melhorando o contorno corporal.

O excesso de pele que pode haver na maioria dos casos acarreta um grande desconforto físico impedindo o uso adequado de roupas, a participação social adequada e em alguns casos até mesmo dificuldade de higiene pessoal. Para se alcançar um resultado adequado, freqüentemente é necessário a combinação da plástica de abdômen com lipoaspiração dos flancos.
As cicatrizes geralmente são de boa qualidade e ficam escondidas pela maioria das roupas de banho, mas pela grande extensão, existe a possibilidade de melhora das cicatrizes que ficarem inestéticas, através de nova cirurgia para correção.

Ao término da cirurgia realiza-se um curativo e coloca-se uma malha compressiva local. Geralmente o paciente poderá retornar para sua residência no dia seguinte da cirurgia, devendo retornar à clínica conforme solicitado pelo cirurgião para troca de curativos. O repouso deverá ser relativo não podendo realizar atividades físicas por um período que irá variar com o tipo de cirurgia de 4 a 8 semanas. Apesar do comprimento da cicatriz, este tipo de cirurgia trás um grande conforto e satisfação aos pacientes.
As cicatrizes irão passar por 3 fases (geralmente 12 a 18 meses), até atingir sua aparência final, e como todas as cicatrizes terão restrição à sol.

Como toda cirurgia existem alguns riscos inerentes a todos os procedimentos cirúrgicos e alguns específicos de cada procedimento. De um modo geral, os problemas mais comuns são infecção local, hematomas, pequenas deiscências e má qualidade na cicatriz. Todos eles geralmente são bem contornados de modo a não perder o resultado cirúrgico e não causar transtornos maiores a não ser o atraso da recuperação da cirurgia. Todo paciente submetido a esta cirurgia deve estar ciente desta possibilidade acontecer, mesmo que se obedeçam todas as recomendações passadas. Riscos maiores como trombose venosa e embolia pulmonar são raras, mas podem ocorrer, mesmo com todo preparo pré-operatório.

As intercorrências em geral são mais prováveis de ocorrer em ex-obesos pelas cicatrizes maiores e pela condição clínica do ex-obeso de absorção alterada alimentos e vitaminas, perfil imunológico, qualidade alterada da pele, entre outros. Seguindo as orientações dadas e deixando-se de fumar com pelo menos 3 semanas de antecedência, diminui-se muito as chances destas complicações ocorrerem. Outros detalhes específicos de cada caso, serão discutidos no ato da consulta médica.

 

LIFTING DE COXAS EM EX-OBESOS

A medida que passam-se os anos, tanto os homens e as mulheres podem perder o tônus cutâneo, com diminuição da espessura da pele e conseqüente flacidez. Se a pessoa mantem um peso regular, esta flacidez pode ficar pouco ou nada visível, pois a capacidade elástica da pele, apesar de diminuir com a idade, consegue acomodar a pele até certo ponto. Mas quando há uma grande perda de peso, esta capacidade de acomodação é superada, e a flacidez tende a ficar mais evidente, proporcional ao número de quilos perdidos, podendo chegar a graus extremos.

O excesso de pele que pode haver na maioria dos casos acarreta um grande desconforto físico impedindo o uso adequado de roupas, a participação social adequada e em alguns casos até mesmo dificuldade de higiene pessoal.

Quando isto ocorre nas coxas, ocorre uma frouxidão da pele de toda coxa, especialmente na parte interna, que pode chegar a níveis extremos. Em alguns pacientes, existe além do excesso cutâneo um excesso de gordura, nestes casos, a lipoaspiração está indicada como método para tratamento associado a suspensão das coxas.
A cirurgia de suspensão de coxas é realizada através da ressecção do excesso de pele e seu reposicionamento. Geralmente suas cicatrizes localizam-se na raiz da coxa e eventualmente, em função de cada caso e do grau de flacidez, na face interna da coxa e também na vertical até o joelho. Ao término da cirurgia realiza-se um curativo e coloca-se uma malha compressiva local. Geralmente o paciente poderá retornar para sua residência no dia seguinte a cirurgia. Devendo retornar à clínica conforme solicitado pelo cirurgião para troca de curativos. O repouso deverá ser relativo não podendo realizar atividades físicas com os braços por um período que irá variar com o tipo de cirurgia de 4 a 8 semanas.
As cicatrizes geralmente são de boa qualidade e ficam escondidas pela maioria das roupas de banho, mas pela extensão, existe a possibilidade de melhora das cicatrizes que ficarem inestéticas, através de nova cirurgia para correção.

Ao término da cirurgia realiza-se um curativo e coloca-se uma malha compressiva local. Geralmente o paciente poderá retornar para sua residência no dia seguinte da cirurgia, devendo retornar à clínica conforme solicitado pelo cirurgião para troca de curativos. O repouso deverá ser relativo não podendo realizar atividades físicas por um período que irá variar com o tipo de cirurgia de 4 a 8 semanas. Apesar do comprimento da cicatriz, este tipo de cirurgia trás um grande conforto e satisfação aos pacientes.
As cicatrizes irão passar por 3 fases (geralmente 12 a 18 meses), até atingir sua aparência final, e como todas as cicatrizes terão restrição à sol.

Como toda cirurgia existem alguns riscos inerentes a todos os procedimentos cirúrgicos e alguns específicos de cada procedimento. De um modo geral, os problemas mais comuns são infecção local, hematomas, pequenas deiscências e má qualidade na cicatriz. Todos eles geralmente são bem contornados de modo a não perder o resultado cirúrgico e não causar transtornos maiores a não ser o atraso da recuperação da cirurgia. Todo paciente submetido a esta cirurgia deve estar ciente desta possibilidade acontecer, mesmo que se obedeçam todas as recomendações passadas. Riscos maiores como trombose venosa e embolia pulmonar são raras, mas podem ocorrer, mesmo com todo preparo pré-operatório.

As intercorrências em geral são mais prováveis de ocorrer em ex-obesos pelas cicatrizes maiores e pela condição clínica do ex-obeso de absorção alterada alimentos e vitaminas, perfil imunológico, qualidade alterada da pele, entre outros. Seguindo as orientações dadas e deixando-se de fumar com pelo menos 3 semanas de antecedência, diminui-se muito as chances destas complicações ocorrerem. Outros detalhes específicos de cada caso, serão discutidos no ato da consulta médica.

 

 

 

Cirurgia Plástica Pós-Bariátrica

Quando está indicado a Abdominoplastia? Quando houver excesso de pele abdominal (flacidez), geralmente resultado de gestação(ões) e ganhos e perdas de peso.

Qualquer pessoa pode optar por esta técnica? Na verdade, o cirurgião plástico irá considerar esta técnica indicada para cada caso. Ela não é uma opção da paciente, pois precisa preencher os requisitos descritos acima. Costuma ser menos indicada em pacientes fumantes e com mais idade, pelos riscos maiores sistêmicos e locais.

É verdade que será feito um umbigo novo? Não. O seu próprio umbigo será utilizado e, se necessário, remodelado. Deve-se levar em conta que, circundando o umbigo existirá uma cicatriz que terá evolução semelhante a cicatriz inferior.

Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo? Nos primeiros meses, o abdome apresenta uma insensibilidade relativa, além de estar sujeito a períodos de “inchaço” ou edema, que regridem espontaneamente. Com o decorrer dos meses, tendo-se iniciado os exercícios, vai-se gradativamente atingindo o resultado definitivo. Nunca se deve considerar como definitivo qualquer resultado, antes de 6 meses de pós-operatório.

Quantos quilos vou emagrecer com a dermolipectomia abdominal? Sendo uma cirurgia que retira determinada quantidade de pele e gordura, evidentemente haverá uma redução no peso corporal, que varia de acordo com o volume do abdome de cada paciente, entre 500 e 1500 mg. Não são, entretanto, os “quilos” retirados que definirão o resultado estético, mas sim as proporções que o abdome mantenha com o restante do tronco e os membros. Paradoxalmente, os abdomes que apresentam melhores resultados estéticos são justamente aqueles em que se fazem as menores retiradas. Assim é que a maioria das mulheres apresentam certa “flacidez” do abdome após 1 ou vários partos, com predominância de pele sobre a quantidade de gordura localizada na região. Estes casos nos permitem excelentes resultados. Em outros casos, em que o paciente está com o peso acima do normal, o resultado também será bom e proporcional ao restante do corpo.

A cirurgia da Abdominoplastia deixa cicatriz muito visível? A cicatriz resultante de uma abdominoplastia localiza-se horizontalmente logo acima da implantação dos pelos pubianos, prolongando-se lateralmente em maior ou menor extensão, dependendo do volume do abdome a ser corrigido. Esta cicatriz é planejada para ficar escondida sob as roupas de banho, e passará por vários períodos de evolução, como se segue: a-PERÍODO INICIAL: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo. b-PERÍODO INTERMEDIÁRIO. Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período haverá espessamento natural da cicatriz, bem como mudança na tonalidade de sua cor, passando de “vermelho” para o “marrom”, que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais. c-PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 18º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia do abdome deverá ser feita após este período.

A Abdominoplastia corrige aquele excesso de gordura sobre a região do estômago? Ocorre uma diminuição pela retirada da pele e reforço da musculatura abdominal, mas em casos que haja acúmulo maior de gordura neste local, poderá ser mais conveniente indicar a Lipoabdominoplastia. É importante lembrar, que se a paciente tiver uma vida sedentária e maus hábitos alimentares, o resultado poderá modificar para pior, pela fraqueza da musculatura abdominal e excesso de gordura intra-abdominal (a que fica ao redor das vísceras).

Qual o tipo de maiô de banho que poderei usar, após a cirurgia? O tipo de maiô dependerá exclusivamente de seu próprio manequim. É claro que os decotes inferiores mais “generosos” ficarão por conta dos casos em que os resultados sejam mais naturais. Lembre-se que o bisturi do cirurgião apenas aprimora suas próprias formas, que poderão ser melhoradas ainda mais, com cuidados e exercícios físicos após a cirurgia.

Poderei ter filhos futuramente? O resultado não ficará prejudicado? A cirurgia não será impedimento para futuras gestações, desde que ocorram pelo menos 1 ano após a cirurgia. O seu médico ginecologista lhe dirá da conveniência ou não de nova gravidez. Quanto ao resultado, poderá ser preservado, desde que na nova gestação seu peso seja controlado por aquele especialista. Aconselhamos entretanto, que tenha todos os filhos programados antes de se submeter a uma Lipoabdominoplastia.

Ouvi dizer que o pós-operatório da Abdominoplastia é muito doloroso. É verdade? O que existe é uma necessidade maior de controle em relação a movimentação, deambulação um pouco curvada nos primeiros dias, uso do modelador corporal e dieta no pós-operatório. Respeitando-se estes ítens a dor será igual ao de outra cirurgia qualquer, onde os analgésicos comumente prescritos aliviam satisfatoriamente.

Há perigo nesta operação? Como qualquer procedimento, existe a possibilidade de complicações, como hematomas, seromas, infecção, trombose, entre outros. Mas raramente isto ocorre, desde que realizada dentro de critérios técnicos. O perigo não é maior nem menor que uma viagem de avião ou de automóvel, ou outra atividade semelhante. Que tipo de anestesia é utilizada para esta operação? Anestesia peridural. Poderá, em casos especiais, ser utilizada a anestesia geral.

Qual a evolução pós-operatória? Não se deve esquecer que, até que se consiga atingir o resultado almejado, diversas fases são características deste tipo de cirurgia. Normalmente o resultado é visível desde o primeiro curativo, estando mais perceptível no primeiro mês, mas o resultado final deverá ocorrer após 6 meses. Entretanto, poderá lhe ocorrer alguma preocupação no sentido de “desejar atingir o resultado final antes do tempo previsto”. Seja paciente, pois seu organismo se encarregará de dissipar todos os pequenos transtornos intermediários. É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser a nós transmitida. Daremos os esclarecimentos necessários, para sua tranqüilidade. Em tempo: Em algumas pacientes, ocorre uma certa ansiedade nesta fase, decorrente do aspecto transitório (edema, insensibilidade, transição cicatricial, etc.). Isto é passageiro e geralmente reflete o desejo de se atingir o resultado final o quanto antes. Lembre-se que nenhum resultado de cirurgia do abdome deverá ser considerado como definitivo antes dos 12 aos 18 meses.

Quanto tempo dura o ato cirúrgico? Em média 2 – 3 horas

Qual o período de internação? Normalmente é necessário 24hs de internação. Em alguns casos selecionados poderá ser indicado um período de observação de 8-12 horas.

São utilizados curativos? Sim. O primeiro curativo é trocado no consultório na data combinada, e os próximos após o segundo retorno, dispensando a necessidade de troca de curativos em casa, exceto em casos especiais que serão avisados pela equipe de Enfermagem durante seu acompanhamento. Os modeladores corporais e as espumas podem ser considerados curativos, e devem ser utilizados por 1 mês, e retirados somente para os banhos.

Quando são retirados os pontos? Não é necessário retirar pontos, pois a grande extensão é feita com cola ou fios absorvíveis.

Como devo proceder para tomar banho? Nos primeiros dias, antes do primeiro retorno, com chuveiro manual e auxílio de outra pessoa, cuidando para não molhar as cicatrizes e os curativos. Após o primeiro retorno, pode-se tomar banho completo, conforme será orientado no seu retorno.

Qual o papel da drenagem linfática no pós-operatório? A drenagem linfática ajuda na remoção de líquidos e toxinas acumulados nas regiões operadas. Isto leva a mais conforto para a(o) paciente, menos dor no pós-operatório e mais rápido retorno às atividades do dia-a-dia. Mas é fundamental que seja feita por profissional com experiência em pós-operatório de cirurgia plástica, pois a drenagem linfática mal feita, pode interferir negativamente no resultado final.

Quando poderei voltar às minhas atividades normais? Pode-se reiniciar a dirigir após semanas, com cuidados. Caminhadas curtas a partir de 2 semanas. Banho de sol após 1 mês (quando cederem as equimoses). Exercícios físicos a partir de 1 mês (iniciar mais leve). Conforme o caso, poderá haver ajustes nestes números, e serão explicados na época adequada.

Para que servem os exames pré-operatórios e fotografias? Os exames que pedimos previamente a cirurgia constituem a rotina de qualquer ato cirúrgico. São fundamentais para avaliarmos o seu organismo como um todo, detectarmos alteracoes grosseiras, como anemias, processos infecciosos, etc. As fotografias tomadas antes e depois da sua cirurgia também são uma rotina e têm o objetivo de registrarmos a evolução do seu caso ao longo do tempo. São fundamentais no pré-operatório para avaliarmos as regiões a serem tratadas, eventuais diferenças de um lado para outro, enfim, para planejarmos o que será feito. Suas fotos permanecerão arquivadas e não serão exibidas a outros pacientes ou pessoas leigas, ficando seu uso restrito para fins de documentação científica e avaliação pós-operatória.

Que tipo de intercorrências podem ocorrer? Consideramos intercorrência todo e qualquer detalhe que possa surgir no pós-operatório além daqueles considerados normais. É sempre indesejado, mas normalmente de controle médico. Discretas assimetrias podem ocorrer, principalmente se esta já existia no pré-operatório. Estas pequenas diferenças podem perfeitamente ser corrigidas em uma nova oportunidade, normalmente apos 6 meses. Hematomas, seromas são situações que podem ocorrer, principalmente em pacientes obesos e tabagistas. Os processos infecciosos, apesar de raros, podem ocorrer. Pacientes tabagistas, diabéticos e com estrias acima da cicatriz umbilical podem ter sofrimento de pele na área central com perdas parciais localizadas, que se ocorrem são controladas com curativos locais, e às vezes necessitam posteriormente de um procedimento com anestesia local para resolução completa. As equimoses (manchas roxas) nada mais são do que a infiltração do sangue (hemossiderina) na pele subjacente e são devidas ao próprio trauma cirúrgico. Isto, entretanto, não constitui qualquer problema futuro, com resolução espontânea.

Lifting total (braços)

Quando está indicado o Lifting de braços? Quando houver uma grande flacidez na face interna dos braços. Normalmente se associa Lipoaspiração para obter um melhor resultado. Pode ser conseqüência de ganhos/perdas de peso, ou após cirurgia bariátrica.

Onde ficam as cicatrizes do Lifting de braços?
Existem 2 técnicas com cicatrizes distintas.

A primeira é o Lifting axilar, é menos extensa, feita com uma cicatriz dentro da axila. Indicada quando a flacidez é localizada no 1/3 superior do braço e em pequena quantidade. Frequentemente é feito a Lipoaspiração desta região para obter melhor resultado.

A segunda é o Lifting total, é mais extensa, feita com a cicatriz da região axilar até o cotovelo, na face interna do braço. Está indicado somente em alguns casos de grande perda de peso ou cirurgia bariátrica, com conseqüente flacidez exagerada. Também se associa a Lipoaspiração para reduzir o volume da coxa e facilitar descolamentos e fechamentos.  

A cirurgia deixa cicatriz muito visível? A cicatriz é planejada para ficar escondida com os braços abaixados, na parte interna dos braços, e passará por vários períodos de evolução, como se segue:
a-PERÍODO INICIAL: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo.
b-PERÍODO INTERMEDIÁRIO. Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período haverá espessamento natural da cicatriz, bem como mudança na tonalidade de sua cor, passando de “vermelho” para o “marrom”, que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.
c-PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 18º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia do abdome deverá ser feita após este período.

Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo? Nos primeiros meses, ocorrerá uma alteração da sensibilidade relativa (formigamento), além de estar sujeito a períodos de “inchaço” ou edema, que regridem espontaneamente. Nesta fase, poderá ficar com aspecto de “esticado” ou “plano”. Com o decorrer dos meses, tendo-se iniciado os exercícios orientados para modelagem, vai-se gradativamente atingindo o resultado definitivo. Nunca se deve considerar como definitivo qualquer resultado, antes de 6 meses de pós-operatórios.

Ouvi dizer que o pós-operatório é doloroso. É verdade? Não é o comum. Normalmente é uma dor leve, com sensação de peso nos braços e tolerável com a medicação prescrita. O que existe é uma necessidade maior de controle em relação a movimentação dos braços, uso do modelador corporal. Respeitando-se estes ítens a dor será igual ao de outra cirurgia qualquer, onde os analgésicos comuns aliviam satisfatoriamente.

Há perigo nesta operação? Raramente a cirurgia de Lifting de braços determina sérias complicações. Isto se deve ao fato de se preparar adequadamente cada paciente, mas é fundamental a colaboração da paciente e obedecer as recomendações médicas passadas, pois excessos podem levar a abertura dos pontos, inflamações, infecções, com pós-operatório mais prolongado até resolução destas questões. O perigo não é maior nem menor que uma viagem de avião ou de automóvel, ou outra atividade semelhante.

Que tipo de anestesia é utilizada para esta operação? Anestesia local com sedação. Poderá, em casos especiais, ser utilizada a anestesia geral.

Quanto tempo dura o ato operatório? Em média 1,5 – 2 horas.

Qual o período de internação? Normalmente não é necessário internação, mas um período de observação de 4-12 horas. Somente nos casos de cirurgia associada, pode ser necessário 24hs de internação.

São utilizados curativos? Sim. Inicialmente com gases e micropore e após primeiro retorno (3-4 dias) com adesivo impermeável de poliuretano que permite banhos normais e dispensa troca em casa, sendo mantidos por aproximadamente 2 semanas, dentro de uma evolução normal.

Quando são retirados os pontos? Normalmente não são retirados, pois a grande extensão é feita com cola ou fios absorvíveis.

Quando poderei tomar banho completo? Normalmente, após o primeiro retorno, quando trocamos o primeiro curativo e liberamos para iniciar a drenagem linfática.

Qual a evolução normal pós-cirúrgica? Ocorrerão diversas fases. Existe uma fase inicial, geralmente de 1 semana, onde a sensibilidade existe de forma suportável com as medicações prescritas. Com o passar das semanas os edemas, equimoses e demais sintomas vão cedendo até que se atinja o resultado almejado ao redor de 3-6 meses.

Que tipo de intercorrências podem ocorrer? Consideramos intercorrência todo e qualquer detalhe que possa surgir no pós-operatório além daqueles considerados normais. É sempre indesejado, mas de controle médico. Hematomas, seromas, trombose venosa profunda e tromboembolismo pulmonar são situações que podem ocorrer, principalmente em pacientes com peso acima do ideal, doenças sistêmicas e tabagistas. Os processos infecciosos, apesar de raros, podem ocorrer. As equimoses (manchas roxas) nada mais são do que a infiltração do sangue (hemossiderina) na pele subjacente são devidas ao próprio trauma cirúrgico. Isto, entretanto, não constitui qualquer problema futuro, com resolução espontânea.

Quando poderei voltar às minhas atividades normais? Pode-se reiniciar a dirigir após 10-14 dias, com cuidados. Caminhadas curtasa partir de 14 dias. Banho de sol após 1 mês. Exercícios físicos a partir de 1 mês. Conforme o seu caso específico poderá haver ajustes nestes números, e serão explicados na época adequada.

Para que servem os exames pré-operatórios e fotografias? Os exames que pedimos previamente a cirurgia constituem a rotina de qualquer ato cirúrgico. São fundamentais para avaliarmos o seu organismo como um todo, detectarmos anemias, processos infecciosos, etc. As fotografias tomadas antes e depois da sua cirurgia também são uma rotina e têm o objetivo de registrarmos a evolução do seu caso ao longo do tempo. São fundamentais no pré-operatório para avaliarmos as regiões a serem tratadas, eventuais diferenças de um lado para outro, enfim, para planejarmos o que será feito. Suas fotos permanecerão arquivadas e não serão exibidas a outros pacientes ou pessoas leigas, ficando seu uso restrito para fins de documentação científica.

Flacidez exagerada das coxas

Quando está indicado o Lifting coxas?

Quando houver uma grande flacidez na face interna das coxas. Normalmente se associa Lipoaspiração para obter um melhor resultado. Pode ser conseqüência de ganhos/perdas de peso, ou após cirurgia bariátrica.

Onde ficam as cicatrizes do Lifting de coxas?

Existem 2 técnicas com cicatrizes distintas.A primeira é o Lifting crural, é menos extensa, feita com uma cicatriz na raiz da coxa, iniciando na região pubiana, acompanhando a marca de trajes de banho, até a parte abaixo da genitália. Indicada quando a flacidez é localizada no 1/3 superior da coxa. Frequentemente é feito a Lipoaspiração desta região para reduzir o volume e facilitar o fechamento.

A segunda é o Lifting total, é bem extensa, feita com a cicatriz do Lifting crural, descrito acima, mais uma cicatriz vertical, da raiz da coxa até o joelho. Está indicado somente em alguns casos de grande perda de peso ou cirurgia bariátrica, com conseqüente flacidez exagerada. Também se associa a Lipoaspiração para reduzir o volume da coxa e facilitar descolamentos e fechamentos.

A cirurgia deixa cicatriz muito visível?

A cicatriz é planejada para ficar escondida sob as roupas de banho, e passará por vários períodos de evolução, como se segue:

a-PERÍODO INICIAL: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo.

b-PERÍODO INTERMEDIÁRIO. Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período haverá espessamento natural da cicatriz, bem como mudança na tonalidade de sua cor, passando de “vermelho” para o “marrom”, que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.
c-PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 18º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia do abdome deverá ser feita após este período.

Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo?

Nos primeiros meses, ocorrerá uma alteração da sensibilidade relativa (formigamento), além de estar sujeito a períodos de “inchaço” ou edema, que regridem espontaneamente. Nesta fase, poderá ficar com aspecto de “esticado” ou “plano”. Com o decorrer dos meses, tendo-se iniciado os exercícios orientados para modelagem, vai-se gradativamente atingindo o resultado definitivo. Nunca se deve considerar como definitivo qualquer resultado, antes de 6 meses de pós-operatórios.

Ouvi dizer que o pós-operatório é doloroso. É verdade?

Não é o comum. Normalmente é uma dor moderada e tolerável com a medicação prescrita. O que existe é uma necessidade maior de controle em relação a movimentação, deambulação, uso do modelador corporal e dieta no pós-operatório. Respeitando-se estes ítens a dor será igual ao de outra cirurgia qualquer, onde os analgésicos comuns aliviam satisfatoriamente.

Há perigo nesta operação?

Raramente a cirurgia de Lifting de coxas determina sérias complicações. Isto se deve ao fato de se preparar adequadamente cada paciente, mas é fundamental a colaboração da paciente e obedecer as recomendações médicas passadas, pois excessos podem levar a abertura dos pontos, inflamações, infecções, com pós-operatório mais prolongado até resolução destas questões.
O perigo não é maior nem menor que uma viagem de avião ou de automóvel, ou outra atividade semelhante.

Que tipo de anestesia é utilizada para esta operação?

Anestesia peridural. Poderá, em casos especiais, ser utilizada a anestesia geral.

Quanto tempo dura o ato operatório?

Em média 1,5 – 2 horas.

Qual o período de internação?

Normalmente não é necessário internação, mas um período de observação de 4-12 horas. Somente nos casos de cirurgia associada, pode ser necessário 24hs de internação.

São utilizados curativos?

Não. É uma região de prega cutânea, com bastante umidade, e portanto evitamos o uso de curativos no local, utilizando somente a cinta modeladora recomendada. A limpeza local é feita diariamente conforme sera recomendado, procurando manter o mais seco possivel.

Quando são retirados os pontos?

Normalmente não são retirados, pois a grande extensão é feita com cola ou fios absorvíveis.

Quando poderei tomar banho completo?

Normalmente, após o primeiro retorno, quando trocamos o primeiro curativo e liberamos para iniciar a drenagem linfática.

Qual a evolução normal pós-cirúrgica?

Ocorrerão diversas fases. Existe uma fase inicial, geralmente de 1 semana, onde a sensibilidade existe de forma suportável com as medicações prescritas. Com o passar das semanas os edemas, equimoses e demais sintomas vão cedendo até que se atinja o resultado almejado ao redor de 3-6 meses.

Que tipo de intercorrências podem ocorrer?

Consideramos intercorrência todo e qualquer detalhe que possa surgir no pós-operatório além daqueles considerados normais. É sempre indesejado, mas de controle médico.
Hematomas, seromas, trombose venosa profunda e tromboembolismo pulmonar são situações que podem ocorrer, principalmente em pacientes com peso acima do ideal, doenças sistêmicas e tabagistas. Os processos infecciosos, apesar de raros, podem ocorrer.
As equimoses (manchas roxas) nada mais são do que a infiltração do sangue (hemossiderina) na pele subjacente são devidas ao próprio trauma cirúrgico. Isto, entretanto, não constitui qualquer problema futuro, com resolução espontânea.

Quando poderei voltar às minhas atividades normais?
Pode-se reiniciar a dirigir após 10-14 dias, com cuidados. Caminhadas curtasa partir de 14 dias. Banho de sol após 1 mês. Exercícios físicos a partir de 1 mês. Conforme o seu caso específico poderá haver ajustes nestes números, e serão explicados na época adequada.

Para que servem os exames pré-operatórios e fotografias?

Os exames que pedimos previamente a cirurgia constituem a rotina de qualquer ato cirúrgico. São fundamentais para avaliarmos o seu organismo como um todo, detectarmos anemias, processos infecciosos, etc.
As fotografias tomadas antes e depois da sua cirurgia também são uma rotina e têm o objetivo de registrarmos a evolução do seu caso ao longo do tempo. São fundamentais no pré-operatório para avaliarmos as regiões a serem tratadas, eventuais diferenças de um lado para outro, enfim, para planejarmos o que será feito. Suas fotos permanecerão arquivadas e não serão exibidas a outros pacientes ou pessoas leigas, ficando seu uso restrito para fins de documentação científica.

Seios caídos e flácidos (Mastopexia com implante de silicone)

Quando está indicado a Mastopexia com silicone? Quando as mamas estiverem muito caídas e com volume mamário pequeno. Geralmente ocorrem após gestação(ões) ou por perda de peso acentuada.

A partir de que idade pode ser corrigido seios caídos? O ideal é a partir de 18 anos, pois é quando a mama está formado. Dificilmente será necessário indicar a Mastopexia antes desta idade.  

A cirurgia estética das mamas (Mastopexia com silicone) deixa cicatrizes?  Felizmente esta cirurgia permite-nos colocar as cicatrizes da pele bastante disfarçadas por trajes de banho ou roupas íntimas, posicionadas nos sulcos mamários, além da cicatriz ao redor da aréola e verticalmente unindo estas duas. Para melhor esclarecê-la sobre a evolução cicatricial, vamos relatar os diversos períodos pelos quais as cicatrizes passarão:

a- PERÍODO INICIAL: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam uma discreta reação aos pontos ou ao curativo.

b- PERÍODO INTERMEDIÁRIO: Vai do 30º dia até o l2º mês. Neste período haverá um espessamento natural da cicatriz, bem como uma mudança na tonalidade de sua cor, passando do “vermelho para o “marrom” que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural de cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois, o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.

c- PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao l8º mês. Neste período a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia das mamas deverá ser feita após este período.

Ouvi dizer que algumas pacientes ficam com cicatrizes muito visíveis. Por que isso acontece? Certas pacientes apresentam tendência à cicatrização hipertófica ou ao quelóide. Esta tendência, entretanto, poderá ser prevista, até certo ponto, durante a consulta inicial, quando lhe fazemos uma série de perguntas sobre sua vida clínica progressa, bem como características familiares, que muito ajudam quanto ao prognóstico das cicatrizes. Pessoas de pele clara têm menor probabilidade de sofrer desta complicação. Esforço nos períodos iniciais também tem grande influência negativa na qualidade das cicatrizes, especialmente na cicatriz vertical, podendo levar a aberturas e infecções locais.

Existe correção para cicatrizes hipertróficas? Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar cicatrizes inestéticas, na época adequada. Não se deve confundir entretanto, o “período intermediário” da cicatrização normal (do 30º dia até o 12º mês) como sendo uma complicação cicatricial. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução deverá ser esclarecida conosco e nunca com terceiros que, como você, “também estão apreensivos quanto ao resultado final”.

Como ficarão minhas novas mamas, em relação ao tamanho e consistência? As mamas podem ter sua queda resolvida através da cirurgia; além disso sua consistência e forma também são melhoradas com esta intervenção. Nessa ocasião a flacidez, a queda e a forma da mama original são corrigidas; entretanto, “as novas mamas” passam por vários períodos evolutivos:

a) PERÍODO INICIAL: Vai até o 30º dia. Neste período, apesar das mamas apresentarem-se com seu aspecto bem melhorado, sua forma ainda está aquém do resultado planejado, pois, até que se atinja a forma definitiva, surgem “pequenos defeitos” aparentes iniciais (inevitáveis em todos os casos), que tendem a desaparecer com o decorrer do tempo. Lembre-se desta observação: Geralmente nenhuma mama fica “perfeita” no pós-operatório imediato.

b) PERÍODO INTERMEDIÁRIO: Vai do 30º dia até o 6º mês. Neste período, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva. Não são raros neste período uma certa insensibilidade ou hipersensibilidade do mamilo, além de maior ou menor grau de “inchaço” das mamas; além disso, sua forma está aquém da definitiva. Apesar de certa euforia da maioria das pacientes, já neste período, o resultado ficará melhor ainda, pois isto será a característica do 3º período (tardio).

c) PERÍODO TARDIO: Vai do 6º ao 12º mês. É o período em que a mama atinge seu aspecto definitivo (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade). É neste período que costumamos fotografar os casos operados, afim de compará-los com aspecto pré- operatório de cada paciente. Tem grande importância, no resultado final, o grau de elasticidade da pele das mamas bem como o volume conseguido. O equilíbrio entre ambos varia de caso para caso.

Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo? Apesar do resultado imediato ser muito perceptível e bom, é comum fazermos uma hiper-correção, pois existe uma queda natural inicial (entre o primeiro e terceiro mês) que levará a um melhor resultado de longo prazo. Somente após o 6º mês é que as mamas atingirão sua forma definitiva.

Qual o tipo de traje de banho que poderei usar após a cirurgia? No período intermediário (1-6 meses) e tardio (6-12 meses) qualquer tipo de traje, de uma ou duas peças, desde que a peça superior não fique muito justa. É claro que, após o amadurecimento das cicatrizes os maiôs poderão ser mais “generosos”, a seu critério.

No caso de nova gravidez, o resultado permanecerá ou ficará prejudicado? O seu ginecologista lhe dirá da conveniência ou não de nova gravidez. Quanto ao resultado, poderá ser preservado, desde que aquele especialista controle seu aumento de peso na nova gestação. Geralmente não há problema maior, em caso de nova gravidez. Se houver grande ganho de peso, as alterações provavelmente ocorrerão.

O pós-operatório da Mastopexia com silicone é doloroso? Em geral não, desde que você obedeça às instruções médicas, principalmente no que tange à movimentação dos braços, esforços, curativos e demais cuidados nos primeiros dias. O analgésico prescrito costuma ser suficiente.

Há perigo nesta operação? Raramente a Mastopexia com silicone sofre complicações, desde que sejam observados os cuidados pós-operatórios recomendados. Isto se deve ao fato de se preparar devidamente cada paciente, além de ponderarmos sobre a conveniência de associação desta cirurgia, simultaneamente a outras. O perigo não é maior ou menor que viajar de avião, automóvel, ou outra atividade similar.

Qual o tipo de anestesia utilizada? Na maioria das vezes com anestesia local com sedação. A anestesia geral pode ser indicada em raros casos, geralmente por outra cirurgia associada, ou a critério do cirurgião.

Quanto tempo dura o ato cirúrgico? Dependendo de cada tipo de mama, a média é de 3 horas.

Qual o período de internação? Geralmente não é necessário internação, mas um período de recuperação de 12 – 24 horas.

São utilizados curativos? Sim. Curativos com micropore por 3-4 dias e sutiã de lycra específico para pós-operatório em toda extensão. Após primeiro retorno são retirados os curativos e mantidos com curativo de poliuretano impermeável e que dispensa trocas, por 2 semanas.

Quando são retirados os pontos? Utilizamos cola ou fios absorvíveis, que dispensam retirada.

Quando tomarei banho completo? Após o primeiro retorno, será feito a troca dos curativos e será liberada para banhos normais.

Qual o papel da drenagem linfática no pós-operatório? A drenagem linfática ajuda na remoção de líquidos e toxinas acumulados nas regiões operadas. Isto leva a mais conforto para a(o) paciente, menos dor no pós-operatório e mais rápido retorno às atividades do dia-a-dia. Mas é fundamental que seja feita por profissional com experiência em pós-operatório de cirurgia plástica, pois a drenagem linfática mal feita, pode interferir negativamente no resultado final.

Qual a evolução pós-operatória? Não se esqueça que, até que se atinja o resultado almejado, as mamas passarão por diversas fases. Se lhe ocorrer a preocupação no sentido de “desejar atingir o resultado definitivo antes do tempo previsto”, não faça disso motivo de sofrimento: tenha a devida paciência, pois, seu organismo se encarregará espontaneamente de dissipar todos os transtornos imediatos. É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser a nós transmitida. Para sua tranquilidade, daremos os esclarecimentos necessários ou nos empenharemos para que se atinja o resultado almejado. Pode-se reiniciar a dirigir após 2-3 semanas, com cuidados (trajetos curtos, dentro da cidade). Caminhadas a partir de 2 semanas. Banho de sol após 1 mês. Exercícios físicos a partir de 45 dias. Conforme o seu caso específico poderá haver ajustes nestes números, e serão explicados na época adequada.

Que tipo de intercorrências podem ocorrer? Consideramos intercorrência todo e qualquer detalhe que possa surgir no pós-operatório além daqueles considerados normais. É sempre indesejado, mas de controle médico. Normalmente estão relacionadas com falta de observância aos cuidados de recuperação. Hematomas, seromas são situações que podem ocorrer, principalmente em pacientes com peso acima do ideal, doenças sistêmicas e tabagistas. Os processos infecciosos e rejeição raramente ocorrem. Eventualmente, nestas situações, pode haver a necessidade de retirada da prótese, que necessita nova cirurgia. As equimoses (manchas roxas) nada mais são do que a infiltração do sangue (hemossiderina) na pele subjacente, e são devidas ao próprio trauma cirúrgico. Isto, entretanto, não constitui qualquer problema futuro, com resolução espontânea.

Quando poderei voltas às minhas atividades normais? Pode-se reiniciar a dirigir após 2-3 semanas, com cuidados (trajetos curtos, dentro da cidade). Caminhadas a partir de 2 semanas. Banho de sol após 1 mês. Exercícios físicos a partir de 45 dias. Conforme o seu caso específico poderá haver ajustes nestes números, e serão explicados na época adequada.

Há perda da sensibilidade nas mamas após a cirurgia? Nos primeiros meses há uma perda temporária. A sensibilidade retorna normalmente entre o 3º e o 6º mês, na maioria dos casos.

Para que servem os exames pré-operatórios e fotografias? Os exames que pedimos previamente a cirurgia constituem a rotina de qualquer ato cirúrgico. São fundamentais para avaliarmos o seu organismo como um todo, detectarmos anemias, processos infecciosos, etc. as fotografias tomadas antes e depois da sua cirurgia também são uma rotina e têm o objetivo de registrarmos a evolução do seu caso ao longo do tempo. São fundamentais no pré-operatório para avaliarmos as regiões a serem tratadas, eventuais diferenças de um lado para outro, enfim, para planejarmos o que será feito. Suas fotos permanecerão arquivadas e não serão exibidas a outros pacientes ou pessoas leigas, ficando seu uso restrito para fins de documentação científica.