Dr. Rogerio Gomes - Cirurgia Plástica - Florianópolis | Pálpebras – Blefaroplastia
515
page-template-default,page,page-id-515,page-child,parent-pageid-176,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Pálpebras – Blefaroplastia

Existe uma idade ideal para se operar as pálpebras?   Não existe uma idade ideal, mas sim, a oportunidade ideal. Essa oportunidade é determinada pela presença dos excessos a serem corrigidos e poderá ocorrer em qualquer idade. O mais comum é a partir de 30 anos, sendo mais freqüente com idades maiores.

Quando está indicado a cirurgia de pálpebras?   Quando houver sobras de pele, podendo ser bastante a ponto de atrapalhar a visão ou interferir com a aplicação de maquiagem. Também quando houver muita ¨bolsa¨, que são bolsas de gordura periorbitária que se projetam para frente, mais evidentes nas inferiores, mas comum nas superiores também, causando aspecto desagradável de excesso de volume.

E as cicatrizes são visíveis? Onde se localizam?   Sendo a pele das pálpebras de espessura muito fina, as cicatrizes tendem a ficar praticamente imperceptíveis nos sulcos da pálpebras superiores e logo abaixo dos cílios nas pálpebras inferiores, sendo que em ambas há uma pequena saída lateral para remover os excessos de pele  e bolsas nestes cantos. Para tanto, deve ser aguardado o período de maturação da cicatriz (3 meses). Pela sua localização são passíveis de serem disfarçadas com uma maquiagem leve, desde os primeiros dias.  A pele das pálpebras costumam ser de melhor cicatrização do organismo.

Qual o tipo de anestesia?   Pela extensão da cirurgia e boa qualidade dos anestésicos, a maioria dos casos é operada sob anestesia local  ou local com sedação. Raramente são feitas sob anestesia geral. Reservamos esta última conduta para os casos em que clinicamente está contra-indicada a anestesia local (raros) ou mesmo, quando a blefaroplastia esteja sendo feita simultaneamente a outras cirurgias.

Há dor no pós-operatório?   Geralmente não. Mesmo que ocorra uma sensibilidade maior, irritação da vista ou pequenos surtos de dor, estes poderão ser perfeitamente controlados com o uso de analgésicos comuns.

Os olhos ficam muito inchados? Por quanto tempo?   O edema (inchaço) dos olhos varia de paciente para paciente. Existem aqueles(as) que já no 4º ou 5º dia apresentam-se com um aspecto bastante natural. Outros irão atingir este resultado após o 8º dia. Mesmo assim, os 3 primeiros dias do pós-operatório são aqueles em que existem maior “inchaço” das pálpebras. O uso de óculos escuros poderá ser útil nesta fase, assim como a utilização de compressas frias diminui a intensidade do edema. Somente após o 3º mês é que poderemos dizer que o edema residual é discreto e não compromete o resultado final.

Qual o período de internação?   Normalmente não é necessário internação, mas um período de observação de 4-12 horas.

Quanto tempo dura a cirurgia?   Em torno de 1 – 2 horas. Dependendo do caso, existem detalhes que podem prolongar este tempo. Mesmo assim, raramente ultrapassam 50 % do tempo básico previsto.

Quando atingirei o resultado definitivo?   Após o 6° mês. Entretanto, logo após o 8º dia já teremos aproximadamente 25 % do resultado almejado, sendo que nas 2 ou 3 semanas subsequentes esse percentual tende a melhorar acentuadamente.

Os olhos ficarão ocluídos após a cirurgia?   Não. Somente recomendamos a colocação de compressas frias por alguns minutos, várias vezes ao dia, ato este controlado pela(o) própria(o) paciente para manter temperatura baixa no local, como profilaxia do edema acentuado, nos primeiros 5 dias.

Quando são retirados os pontos?   Com 5 – 7 dias após a cirurgia.

Qual o papel da drenagem linfática no pós-operatório? A drenagem linfática ajuda na remoção de líquidos e toxinas acumulados nas regiões operadas. Isto leva a mais conforto para a(o) paciente, menos dor no pós-operatório e mais rápido retorno às atividades do dia-a-dia. Mas é fundamental que seja feita por profissional com experiência em pós-operatório de cirurgia plástica, pois a drenagem linfática mal feita, pode interferir negativamente no resultado final.

Que tipo de intercorrência pode acontecer?   Consideramos intercorrência todo e qualquer detalhe que possa surgir no pós-operatório além daqueles considerados normais. É sempre indesejado, mas de controle médico. Discretas assimetrias podem ocorrer, principalmente se esta já existia no pré-operatório. Estas pequenas diferenças podem perfeitamente ser corrigidas. Hematomas, seromas e processos infecciosos raramente ocorrem. As equimoses (manchas roxas) nada mais são do que a infiltração do sangue na pele subjacente, e mesmo na conjuntiva ocular; são devidas ao próprio trauma cirúrgico. Isto, entretanto, não constitui qualquer problema futuro, com resolução espontânea. Ardência na vista, coceira, também podem ocorrer no período inicial, melhoram com uso de colírios específicos e cessam espontaneamente em pouco tempo.  Casos mais graves são encaminhados para avaliação Oftalmológica.

Quando poderei voltar às minhas atividades normais?   Pode-se reiniciar a dirigir após 2 semanas, com cuidados. Caminhadas a partir de 2 semanas. Banho de sol após 1 mês. Exercícios físicos a partir de 1 mês. Conforme o seu caso específico poderá haver ajustes nestes números, e serão explicados na época adequada.

Para que servem os exames pré-operatórios e fotografias?   Os exames que pedimos previamente a cirurgia constituem a rotina de qualquer ato cirúrgico. São fundamentais para avaliarmos o seu organismo como um todo, detectarmos anemias, processos infecciosos, etc. As fotografias tomadas antes e depois da sua cirurgia também são uma rotina e têm o objetivo de registrarmos a evolução do seu caso ao longo do tempo. São fundamentais no pré-operatório para avaliarmos as regiões a serem tratadas, eventuais diferenças de um lado para outro, enfim, para planejarmos o que será feito. Suas fotos permanecerão arquivadas e não serão exibidas a outros pacientes ou pessoas leigas, ficando seu uso restrito para fins de documentação científica e avaliação pós-operatória.

Afinal, o resultado compensa?   É importante levar em consideração o fato de que a cirurgia das pálpebras não proporciona rejuvenescimento geral à face, quando executada isoladamente. Muitas pacientes esperam este resultado (rejuvenescimento) apenas com a blefaroplastia. O cirurgião plástico apenas melhorará a região palpebral, prejudicada pelos defeitos estéticos pré-existentes. O rejuvenescimento da face implica em outras condutas associadas à blefaroplastia. Se a(o) Sra.(Sr.) está ciente do que deseja e o cirurgião puder lhe propiciar aquilo que foi pedido, sem dúvida compensa.