Dr. Rogerio Gomes - Cirurgia Plástica - Florianópolis | Abdome – Mini + Lipoaspiração
530
page-template-default,page,page-id-530,page-child,parent-pageid-180,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Abdome – Mini + Lipoaspiração

Qual a diferença da Abdominoplastia para a Mini-abdominoplastia?   A Mini-abdominoplastia age na metade inferior do abdômen, ou seja, até a cicatriz umbilical, sem deixar cicatrizes no umbigo. Haverá uma cicatriz abdominal baixa e menor que na Abdominoplastia. Tem indicação em casos que haja flacidez e distrofia somente na metade inferior do abdômen, ou seja, da cicatriz umbilical para baixo. Comumente se associa Lipoaspiração para retirada dos excessos de gordura localizada. A Abdominoplastia, por sua vez, age em todo o abdome, tanto acima como abaixo do umbigo, removendo excessos de pele e gordura, e leva a uma cicatriz ao redor do umbigo.

Quando está indicado a Mini-abdominoplastia?   Quando houver excesso de pele abdominal (flacidez) abaixo do umbigo e excessos de gordura localizada, especialmente abaixo do umbigo.

Qualquer pessoa pode optar por esta técnica?   Na verdade, o cirurgião plástico irá considerar se esta técnica é indicada para seu caso. Ela não é uma opção da paciente, pois precisa preencher as indicações descritas acima, além de ser menos indicada em pacientes fumantes e com mais idade, pelos riscos maiores, nestes casos, de diminuição da circulação da pele abdominal, com conseqüente sofrimento da pele e até áreas de necrose.

Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo?   É semelhante à Lipoaspiração. Nos primeiros meses, o abdome apresenta uma insensibilidade relativa, além de estar sujeito a períodos de “inchaço” ou edema, que regridem espontaneamente. Com o decorrer dos meses, tendo-se iniciado os exercícios, vai-se gradativamente atingindo o resultado definitivo. Nunca se deve considerar como definitivo qualquer resultado, antes de 6 meses de pós-operatório.

Quantos quilos vou emagrecer com a Mini-abdominoplastia?   Sendo uma cirurgia que retira determinada quantidade de pele e gordura, evidentemente haverá uma redução no peso corporal, que varia de acordo com o volume do abdome de cada paciente, entre 100 e 500 mg, e do volume lipoaspirado, entre 1000 e 2000ml. Não são, entretanto, os “quilos e litros” retirados que definirão o resultado estético, mas sim as proporções que o abdome mantenha com o restante do tronco e os membros. Paradoxalmente, os abdomes que apresentam melhores resultados estéticos são justamente aqueles em que se fazem as menores retiradas. Assim é que a maioria das mulheres apresentam certa “flacidez” do abdome após 1 ou vários partos, com predominância de pele sobre a quantidade de gordura localizada na região. Estes casos nos permitem excelentes resultados. Em outros casos, em que o paciente está com o peso acima do normal, o resultado também será bom e proporcional ao restante do corpo.

As cicatrizes são iguais a da abdominoplastia?   Não, serão menores e posicionadas na parte abdominal baixa dentro das marcas de trajes de banho. Tem vantagem de não causar cicatrizes ao redor do umbigo.

A cirurgia da Mini-abdominoplastia deixa cicatriz muito visível?   A cicatriz resultante de uma Mini-abdominoplastia localiza-se horizontalmente logo acima da implantação dos pelos pubianos, podendo prolongar-se lateralmente em pequena extensão, dependendo do grau de flacidez. Esta cicatriz é planejada para ficar escondida sob as roupas de banho, e passará por vários períodos de evolução, como se segue: a-PERÍODO INICIAL: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo. b-PERÍODO INTERMEDIÁRIO. Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período haverá espessamento natural da cicatriz, bem como mudança na tonalidade de sua cor, passando de “vermelho” para o “marrom”, que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais. c-PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 18º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia do abdome deverá ser feita após este período.

A Mini-abdominoplastia corrige aquele excesso de gordura sobre a região do estômago?   Pode ser associado a Lipoaspiração supra-umbilical para correção deste excessso, mas desde que não haja flacidez nesta região. Se houver flacidez supra-umbilical (sobra de pele), será melhor indicar a Abdominoplastia ou Lipoabdominoplastia. É importante lembrar, que se a paciente tiver uma vida sedentária e maus hábitos alimentares, abaulamentos abdominais poderão persistir ou retornar, apesar de não haver excesso de pele e gordura, pela fraqueza da musculatura abdominal e excesso de gordura intra-abdominal (a que fica ao redor das vísceras).

Qual o tipo de maiô de banho que poderei usar, após a cirurgia?   O tipo de maiô dependerá exclusivamente de seu próprio manequim. Lembre-se que o bisturi do cirurgião apenas aprimora suas próprias formas, que poderão ser melhoradas ainda mais, com cuidados e exercícios físicos após a cirurgia.

Poderei ter filhos futuramente? O resultado não ficará prejudicado?   A cirurgia não será impedimento para futuras gestações, desde que ocorram pelo menos 1 ano após a cirurgia. O seu médico ginecologista lhe dirá da conveniência ou não de nova gravidez. Quanto ao resultado, poderá ser preservado, desde que na nova gestação seu peso seja controlado por aquele especialista. Aconselhamos entretanto, que tenha todos os filhos programados antes de se submeter a uma Mini-abdominoplastia.

Ouvi dizer que o pós-operatório da Mini-abdominoplastia é muito dolorosa. É verdade?   O que existe é uma necessidade maior de controle em relação a movimentação e deambulação, uso do modelador corporal e dieta no pós-operatório. Respeitando-se estes ítens a dor será igual ao de outra cirurgia qualquer, onde os analgésicos comumente prescritos aliviam satisfatoriamente.

Há perigo nesta operação?   Como qualquer procedimento, existe a possibilidade de complicações, como hematomas, seromas, infecção, trombose, entre outros. Mas raramente isto ocorre, desde que realizada dentro de critérios técnicos. O perigo não é maior nem menor que uma viagem de avião ou de automóvel, ou outra atividade semelhante.

Que tipo de anestesia é utilizada para esta operação?   Anestesia peridural. Poderá, em casos especiais, ser utilizada a anestesia geral.

Qual a evolução pós-operatória?   Não se deve esquecer que, até que se consiga atingir o resultado almejado, diversas fases são características deste tipo de cirurgia. Normalmente o resultado é visível desde o primeiro curativo, estando mais perceptível no primeiro mês, mas o resultado final deverá ocorrer após 6 meses. Entretanto, poderá lhe ocorrer alguma preocupação no sentido de “desejar atingir o resultado final antes do tempo previsto”. Seja paciente, pois seu organismo se encarregará de dissipar todos os pequenos transtornos intermediários. É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser a nós transmitida. Daremos os esclarecimentos necessários, para sua tranqüilidade. Em tempo: Em algumas pacientes, ocorre uma certa ansiedade nesta fase, decorrente do aspecto transitório (edema, insensibilidade, transição cicatricial, etc.). Isto é passageiro e geralmente reflete o desejo de se atingir o resultado final o quanto antes. Lembre-se que nenhum resultado de cirurgia do abdome deverá ser considerado como definitivo antes dos 12 aos 18 meses.

Quanto tempo dura o ato cirúrgico?   Em média 2 – 3 horas

Qual o período de internação?   Normalmente é necessário 24hs de internação. Em alguns casos selecionados poderá ser indicado um período de observação de 8-12 horas.

São utilizados curativos?   Sim. O primeiro curativo é trocado no consultório na data combinada, e os próximos após o segundo retorno, dispensando a necessidade de troca de curativos em casa, exceto em casos especiais que serão avisados pela equipe de Enfermagem durante seu acompanhamento. Os modeladores corporais e as espumas podem ser considerados curativos, e devem ser utilizados por 1 mês, e retirados somente para os banhos.

Quando são retirados os pontos?   Não é necessário retirar pontos, pois a grande extensão é feita com cola ou fios absorvíveis.

Como devo proceder para tomar banho?   Nos primeiros dias, antes do primeiro retorno, com chuveiro manual e auxílio de outra pessoa, cuidando para não molhar as cicatrizes e os curativos. Após o primeiro retorno, pode-se tomar banho completo, conforme será orientado no seu retorno.

Qual o papel da drenagem linfática no pós-operatório? A drenagem linfática ajuda na remoção de líquidos e toxinas acumulados nas regiões operadas. Isto leva a mais conforto para a(o) paciente, menos dor no pós-operatório e mais rápido retorno às atividades do dia-a-dia. Mas é fundamental que seja feita por profissional com experiência em pós-operatório de cirurgia plástica, pois a drenagem linfática mal feita, pode interferir negativamente no resultado final.

Quando poderei voltar às minhas atividades normais?   Pode-se reiniciar a dirigir após  semanas, com cuidados. Caminhadas curtas a partir de 2 semanas. Banho de sol após 1 mês (quando cederem as equimoses). Exercícios físicos a partir de 1 mês (iniciar mais leve). Conforme o caso, poderá haver ajustes nestes números, e serão explicados na época adequada.

Para que servem os exames pré-operatórios e fotografias?   Os exames que pedimos previamente a cirurgia constituem a rotina de qualquer ato cirúrgico. São fundamentais para avaliarmos o seu organismo como um todo, detectarmos alteracoes grosseiras, como anemias, processos infecciosos, etc. As fotografias tomadas antes e depois da sua cirurgia também são uma rotina e têm o objetivo de registrarmos a evolução do seu caso ao longo do tempo. São fundamentais no pré-operatório para avaliarmos as regiões a serem tratadas, eventuais diferenças de um lado para outro, enfim, para planejarmos o que será feito. Suas fotos permanecerão arquivadas e não serão exibidas a outros pacientes ou pessoas leigas, ficando seu uso restrito para fins de documentação científica e avaliação pós-operatória.

Que tipo de intercorrências podem ocorrer?   Consideramos intercorrência todo e qualquer detalhe que possa surgir no pós-operatório além daqueles considerados normais. É sempre indesejado, mas normalmente de controle médico. Discretas assimetrias podem ocorrer, principalmente se esta já existia no pré-operatório. Estas pequenas diferenças podem perfeitamente ser corrigidas em uma nova oportunidade, normalmente apos 6 meses. Hematomas, seromas são situações que podem ocorrer, principalmente em pacientes obesos e tabagistas. Os processos infecciosos, apesar de raros, podem ocorrer. Pacientes tabagistas, diabéticos e com estrias acima da cicatriz umbilical podem ter sofrimento de pele na área central com perdas parciais localizadas, que se ocorrem são controladas com curativos locais, e às vezes necessitam posteriormente de um procedimento com anestesia local para resolução completa. As equimoses (manchas roxas) nada mais são do que a infiltração do sangue (hemossiderina) na pele subjacente e são devidas ao próprio trauma cirúrgico. Isto, entretanto, não constitui qualquer problema futuro, com resolução espontânea.